Santa Luzia está ausente nas propostas de Governo para viabilidade urbana.

Patrocinado - Anuncie aqui

Aconteceu no último dia 20/01 (sábado) no auditório do DEER, Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais – DEER/MG, entre 8:30 e 12 horas a Reunião Pública para elaboração do plano de mobilidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Transportes e obras públicas, em parceria com a Agência de Desenvolvimento da RMBH, promoveu no dia 20 de janeiro, no Auditório do DEER-MG, esse evento, aberto ao público. O Evento contou com a participação de representantes da Comissão de Participação Popular da Secretaria de Estado de Transportes e obras públicas, formada por aproximadamente 100 usuários do sistema metropolitano de transporte coletivo e representantes de diversas regiões, que se reunirão para debater e identificar os problemas de mobilidade da RMBH. Estiveram presentes vários representantes do fórum regional metropolitano e representantes da sociedade civil. Também da cidade de Santa Luzia, esteve participando dos debates o Presidente do Sindipol-MG, Denílson Martins.

Patrocinado - Anuncie aqui

O principal objetivo desta reunião é realizar um diagnóstico estratégico participativo sobre a mobilidade metropolitana para instruir a elaboração de propostas do plano de mobilidade, que deverá prever estratégias para sanar os principais problemas e carências para os usuários do transporte dos municípios da RMBH.

O poder público de Santa Luzia não compareceu nem enviou representantes para a discursão do plano de viabilidade metropolitana.

 

INVESTIMENTOS DO GOVERNO FEDERAL

Desde abril de 2015, mais de 3.000 municípios precisam ter planos de mobilidade urbana para receber investimentos do governo federal voltados a projetos no setor.
Vale ressaltar que, mais uma vez, Santa Luzia poderá perder esse benefício por sua ausência e omissão.

Política Nacional de Mobilidade (Lei 12. 587/12) ao plano da cidade. O material também enfatiza aspectos como a necessidade da participação social e o incentivo à institucionalização ao transformar o plano em lei aprovada na Câmara dos Vereadores.

Questões relacionadas ao planejamento:

Qualidade e ampliação nos transportes viário; central de monitoramento; distancias entre estações, bem como encontrar meios para facilitar a vida do usuário; criação de um vale transporte único (Cartão) valor diferenciado e linhas suplementares; tecnologia e aprimoramento do transporte, incluindo metrôs e outros; horário e itinerários planejados, programados, com redução no tempo de espera e eficiência do sistema; e integração de tarifas e linhas intermediárias.

Harmonizar o nível de qualidade do sistema de mobilidade urbana implica encontrar soluções diferentes para cada vocação regional. A configuração da cidade depende das opções estratégicas.

PPAG:

O Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) é um instrumento legal normatizado do planejamento de médio prazo da esfera pública, que explica diretrizes, objetivos, programas, ações e metas a serem atingidas, definindo quantitativamente recursos necessários para sua implementação.

Mobilidade Urbana

Instituída pela Lei 12.587/12.
O planejamento urbano vem evoluindo ao longo das últimas décadas, de forma a ampliar seu direcionamento e conseguir focar exatamente naquilo que realmente importa, melhorar a condição de vida das pessoas.

Para que o processo de melhoria da mobilidade urbana seja consistente, solucionando problemas e planejando a forma como a estrutura urbana deve ser direcionada no futuro, o plano deve ser desenvolvido de forma a atender as necessidades da população e ainda considerar também impactos sociais, econômicos, ambientais e geográficos das regiões envolvidas, seguindo as premissas ligadas à Política. As soluções de mobilidade urbana para a Região Metropolitana de Belo Horizonte serão fundamentadas em participação social e análises técnicas, envolvendo toda a sociedade e representantes de diversos setores, entidades, ONGs e movimentos sociais. Assim, será elaborado um Plano de Mobilidade que atenda às necessidades das pessoas, facilite seu dia a dia e contribua para o desenvolvimento econômico região.

O Plano de Mobilidade da RMBH vai incorporar soluções para os problemas de Mobilidade referentes à integração dos 34 municípios da Região Metropolitana: Baldim, Belo Horizonte, Betim, Brumadinho, Caeté, Capim Branco, Confins, Contagem, Esmeraldas, Florestal, Ibirité, Igarapé, Itaguara, Itatiaiuçu, Jaboticatubas, Juatuba, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Matozinhos, Nova Lima, Nova União, Pedro Leopoldo, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Rio Manso, Sabará, Santa Luzia, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo, Taquaraçú de Minas e Vespasiano.

O Plano de Mobilidade da RMBH busca, por meio da evolução e estudo de Planos e Projetos já existentes, juntamente com processos de participação social, construir uma carteira de intervenções e ações a serem concretizadas na RMBH nos próximos anos, hierarquizada de forma melhorar as condições de deslocamento entre as diversas cidades da região, impactando diretamente a qualidade de vida do cidadão metropolitano. Além disto, este plano e as consequentes obras e ações devem orientar o desenvolvimento urbano de acordo com a proposta de reestruturação espacial do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI), incentivando o surgimento e fortalecimento de novas centralidades, reduzindo assim, a demanda pela região central de Belo Horizonte.)

Patrocinado - Anuncie aqui

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta